4 de agosto de 2019

Mutaburrassauro, o dinossauro narigudo

Crédito: Alamy Stock Photo

O mutaburrassauro ("lagarto de Muttaburra") é um dinossauro ornitópode de cerca de 7 m de comprimento e 3 toneladas. Viveu no nordeste da Austrália entre 112 e 99,6 milhões de anos atrás, no início do período Cretáceo, e deve ter convivido com dinossauros como Atlascopcosaurus, Austrosaurus, Diamantinasaurus e Wintonotitan.

19 de julho de 2019

Purussauro, o superjacaré amazônico

Crédito: Tito Aureliano Neto

O purussauro ("lagarto do rio Purus") é um grande jacaré extinto que viveu na América do Sul durante a época Miocena, de 13,8 a 5,3 milhões de anos atrás. Habitava pântanos da região amazônica, desde a Bolívia, passando pelo norte do Brasil, Peru, Colômbia e Venezuela. Estima-se que alcançava 12,5 m de comprimento e 8,4 toneladas, estando entre os maiores crocodilomorfos que já existiram. Como praticamente só são conhecidos crânios (o maior deles medindo 1,75 m), o comprimento total do animal não é certo.

17 de maio de 2019

Jeholornis, a ave com cauda dupla

Jeholornis prima sobre uma árvore.
© Sergey Krasovskiy

O Jeholornis ("ave de Jehol", o grupo de formações geológicas onde foi descoberto) é um dinossauro avialano que viveu entre 122 e 120 milhões de anos atrás, no início do Cretáceo, na China. Estando entre os maiores avialanos da época, tinha o tamanho aproximado de um peru, com até 80 cm de comprimento. Alimentava-se de sementes de cicadáceas, ginkgos e plantas similares. 

23 de março de 2019

Megalograptus, o grande escorpião-marinho do Ordoviciano

Megalograptus e, ao fundo, cefalópodes ortocones, moluscos com conchas retas.
Crédito: Andrey Belov

O Megalograptus é um artrópode euriptérido, ou "escorpião-marinho", que viveu na América do Norte durante o Ordoviciano, entre 449,5 e 443,8 milhões de anos atrás. Era relativamente grande para um predador desse período, podendo chegar a 1,2 m de comprimento da cabeça à ponta da cauda. É também um dos escorpiões-marinhos mais antigos que se conhece.

9 de março de 2019

Hesperossauro, o lagarto ocidental

Crédito: Alexander

O hesperossauro ("lagarto ocidental", do grego hesperos, "ocidental", e sauros, "lagarto") é um dinossauro estegossauro do período Jurássico. Esse herbívoro viveu há cerca de 156 milhões de anos, na América do Norte, media de 6 a 7 m de comprimento e pesava de 2 a 3 t.

26 de fevereiro de 2019

Sinoceratops, o ceratopsídeo chinês

Crédito: Tuomas Koivurinne, 2010

O Sinoceratops ("rosto com chifres chinês", do latim sino, "chinês", e do grego keras, "chifre", e ops, "rosto") é um dinossauro ceratópsio que viveu entre 72 e 66 milhões de anos atrás, no final do Cretáceo, no leste da China. Era um grande herbívoro quadrúpede, podendo atingir um tamanho estimado em 6 m de comprimento, 2 m de altura e 2 toneladas. Este é o primeiro ceratopsídeo descoberto na China e provavelmente o único de toda a Ásia - todos os demais membros da família Ceratopsidea foram encontrados na América do Norte.

12 de fevereiro de 2019

Período Jurássico

Reunião de dinossauros jurássicos de diferentes regiões. Um Stegosaurus fica alerta ao olhar desafiador do carnívoro Allosaurus, observados pelo pescoçudo Diplodocus. Ao centro, embaixo, um Kentrosaurus se alimenta. Por trás da araucária, passa um Brachiosaurus, fazendo o Camptosaurus de seis metros parecer pequeno. Sobre uma folha se samambaia, um Archaeopteryx estica suas asas, enquanto um bando de Rhamphorhynchus voa pelo céu.
© 2007 Keiji Terakoshi

O Jurássico é compreendido entre 201,3 e 145 milhões de anos atrás. O segundo período da era Mesozoica começa após o Triássico e antecede o Cretáceo. Dividido em três épocas (Jurássica Inferior, Jurássica Média e Jurássica Superior), seu nome deriva da Cordilheira do Jura, ao norte dos Alpes europeus, onde rochas calcárias desse período foram identificadas pela primeira vez. Estratos rochosos depositados durante o Jurássico produziram reservas de ouro, calcário, carvão, petróleo e outros recursos naturais.

Tabela do tempo geológico em escala, com destaque para o Jurássico, suas épocas e idades.
© Mundo Pré-Histórico

No início do Jurássico, a Pangeia estava começando a fraturar-se em duas massas terrestres: Laurásia ao norte e Gondwana ao sul, movimento que se intensificou no decorrer do período e culminou com sua separação completa no Jurássico Médio. Um relativamente estreito Oceano Atlântico Central abria-se entre a América do Norte e o noroeste da África. As mudanças geográficas criaram novas linhas costeiras, alteraram o clima continental de seco e quente para úmido e subtropical e substituíram muitas das áreas desérticas do Triássico por florestas tropicais exuberantes. Grande parte do oeste da Europa encontrava-se coberta por mares tropicais rasos e, como no Triássico, ainda não existiam calotas polares.

Disposição dos continentes no Jurássico.
© Dr. Ronald Blakey, Universidade do Norte do Arizona
(Com modificações)