14 de julho de 2014

Estegossauros (Stegosauria)

© Cisiopurple

Os estegossauros (membros da subordem Stegosauria) são um grupo de dinossauros ornitísquios que viveram do Jurássico ao início do Cretáceo. Carregavam placas ósseas e espinhos ao longo das costas, desde o pescoço até a ponta da cauda, que se afixavam à pele. Muitos também tinham um par de espigões projetando-se dos ombros.
Seus corpos pesados e fortes possuíam cabeças pequenas e pouco elevadas, sugerindo que sua dieta era composta por samambaias e outras plantas de pequeno porte. Os estegossauros devem ter consumido quantidades enormes de vegetais para sustentar sua grande massa. O crânio desses animais era longo, baixo e estreito, terminando em um bico delgado e sem dentes. Pequenos dentes molares se encontravam ao fundo da boca, que contava com bochechas carnudas.

Stegosaurus armatus
© 2012 Camus Altamirano

Os estegossauros apareceram primeiro no leste da Ásia, no início do Jurássico. O final desse período foi o seu auge, quando se espalharam pelo leste da África, pela Europa e pela América do Norte, mas se extinguiram no começo do Cretáceo. Talvez suas defesas pontiagudas não se igualassem aos novos tipos de dinossauros terópodes. Nesse quesito, os anquilossauros (subordem Ankylosauria) se adaptaram melhor. Junto com eles, os estegossauros formam o grupo dos tireóforos (Thyreophora).
O maior estegossauro foi o Stegosaurus da América do Norte, com 9 m, o primeiro dinossauro do grupo a ser descoberto e, por isso, o que deu nome a ele. Huayangosaurus, o mais antigo, viveu na China há 165 milhões de anos, enquanto Wuerhosaurus foi um dos últimos, desaparecendo há 110 milhões.

Wuerhosaurus homheni
(Autor desconhecido)

Placas e espinhos


Espinhos da cauda de um Kentrosaurus
Foto: Museum für Naturkunde, Berlim

Os cientistas ainda não estão certos sobre como as placas se posicionavam nas costas e qual era sua função. Já imaginaram que elas protegiam contra ataques de inimigos, mas isso parece improvável. Como eram feitas de ossos finos e amplamente perfurados, com vasos sanguíneos e provavelmente recobertas por pele, talvez servissem como radiadores, ajudando a controlar a temperatura corporal, ou para exibição, ajudando machos e fêmeas a se reconhecerem. A defesa, então, ficava por conta dos espinhos da cauda. Saliências ósseas existentes na pele protegiam a garganta, ao mesmo tempo em que garantiam flexibilidade.

Dois cérebros


Como o cérebro dos estegossauros era muito pequeno, pensava-se que eles tinham dois: o outro, maior, ficaria próximo aos quadris. Na verdade, o "segundo cérebro" era apenas um feixe de nervos que controlavam os membros posteriores e a cauda. Mesmo com um cérebro tão grande quanto uma noz, os estegossauros não eram completamente estúpidos e possuíam um bulbo olfativo bem desenvolvido, garantindo um bom olfato.

À direita, o cérebro verdadeiro do Kentrosaurus e, à esquerda, o "cérebro" maior, que preenchia uma cavidade dentro de duas vértebras
© Dorling Kindersley/UI

Huayangossaurídeos e Estegossaurídeos


Um dos estegossauros mais primitivos é o chinês Huayangosaurus
© Nobu Tamura

A subordem Estegossauros divide-se nas famílias Huayangossaurídeos (Huayangosauridae) e Estegossaurídeos (Stegosauridae). Os únicos huayangossaurídeos conhecidos são o Huayangosaurus e, possivelmente, o Regnosaurus da Inglaterra. Eles tinham crânios mais curtos e altos e dentes na frente da boca.
Os estegossaurídeos incluem todos os outros estegossauros, que são mais estreitamente relacionados ao Stegosaurus do que ao Huayangosaurus: Lexovisaurus, Tuojiangosaurus, Wuerhosaurus, Dacentrurus, entre outros, além do próprio Stegosaurus.

© Jakub

Fontes: Enciclopédia dos dinossauros e da vida pré-histórica, Dino Database e Wikipedia (versão em inglês).

2 comentários:

Todos os comentários passam por aprovação do autor.
Comentários inapropriados ou ofensivos não serão publicados.
Críticas e sugestões são bem-vindas.