29 de março de 2015

Paquicefalossauros (Pachycephalosauria)

1.Pachycephalosaurus; 2.Dracorex; 3.Stygimoloch; 4.Prenocephale; 5.Goyocephale; 6.Stegoceras; 7.Homalocephale.

Paquicefalossauros, os "lagartos com cabeça espessa", são um grupo de dinossauros ornitísquios caracterizados, como seu nome diz, por terem ossos muito espessos no topo de seus crânios. Poucos ultrapassavam o tamanho de um ser humano, eram todos bípedes e herbívoros e geralmente alimentavam-se de vegetação baixa (talvez insetos e outros pequenos animais também estivessem em sua dieta). Tinham dentes curvados semelhantes a presas na frente da boca e um bico córneo. Uma das espécies mais antigas é o Acrotholus, que viveu há 85 milhões de anos. A maioria dos paquicefalossauros viveu no fim do Cretáceo, onde hoje são Ásia e América do Norte.
Possuíam uma cabeça grande em relação ao corpo, apesar de o cérebro ser muito pequeno (as regiões responsáveis pelo olfato eram expandidas, sugerindo que esse sentido era apurado). Em alguns paquicefalossauros, como os norte-americanos Pachycephalosaurus e Stegoceras, o topo do crânio tinha a forma de um domo. Outros, tais como o Homalocephale da Mongólia, tinham tetos cranianos achatados. Estes são tradicionalmente considerados um grupo distinto, embora possam representar, na verdade, indivíduos fêmeas ou jovens que ainda não desenvolveram o formato curvo do crânio dos adultos.

Classificação científica:
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Reptilia
Superordem: Dinosauria
Ordem: † Ornithischia
Clado: † Marginocephalia
Subordem: † Pachycephalosauria

O Stygimoloch apresentava grandes espinhos atrás da cabeça
(Autor desconhecido)
Prenocephale, do final do Cretáceo da Mongólia
© Raúl Martín
O Goyocephale é um dos poucos paquicefalossauros cujo crânio não tem a forma de uma bola de boliche
© Camila Alli Chair

O mito das cabeçadas


Stegoceras tomam impulso momentos antes de suas cabeças colidirem
© Natural History Museum

O propósito dos crânios abobadados dos paquicefalossauros tem sido intensamente discutido. Inicialmente acreditou-se que os machos brigassem entre si batendo suas cabeças uma contra a outra, como cabras-montanhesas, porém o pescoço curvo não teria suportado tal impacto e ficaria muito fácil acertar algum ponto frágil da cabeça quando a superfície de contato entre as duas era tão pequena. Ainda assim, fósseis apresentam sinais de lesões cicatrizadas no crânio, e pode ser que os paquicefalossauros os usassem para golpear nos flancos uns dos outros, até mesmo contra predadores.
Os nódulos e espinhos frequentemente encontrados ao redor da cúpula também não têm uma utilidade clara ainda. Talvez a ornamentação servisse como um tipo de reconhecimento intraespecífico (entre os indivíduos da espécie), como exibição sexual e domínio de território.

Pachycephalosaurus se enfrentam com empurrões: essa forma de combate parece mais admissível.
© 2005 Julius T. Csotonyi

Classificação problemática


Stegoceras é um dos poucos paquicefalossauros dos quais se conhecem outras partes do esqueleto além do crânio. Ademais, foram descobertos mais crânios de Stegoceras do que qualquer outro paquicefalossauro.

Esses animais tinham crânios formados por ossos muito espessos, fazendo com que tais partes se fossilizassem mais facilmente que o restante do corpo, feito de ossos mais delicados. Por isso, grande parte dos achados são esqueletos incompletos, o que torna sua identificação taxonômica uma tarefa difícil. Quase todas as espécies foram classificadas somente a partir de seus crânios peculiares. Como resultado, várias delas, ao longo da história, foram colocadas na subordem Pachycephalosauria por engano. Veja: Majungatholus é agora considerado o terópode abelissaurídeo Majungasaurus; o Yaverlandia, outro dinossauro inicialmente descrito como um paquicefalossauro, foi reclassificado como um terópode celurossauro; e o Micropachycephalosaurus, reatribuído ao grupo "vizinho" Ceratópsios (Ceratopsia).

Fontes: Enciclopédia dos dinossauros e da vida pré-históricaWikipedia (versão em inglês) e Palaeos Vertebrates.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os comentários passam por aprovação do autor.
Comentários inapropriados ou ofensivos não serão publicados.
Críticas e sugestões são bem-vindas.