1 de março de 2015

Oxalaia, o maior dinossauro carnívoro do Brasil

© Maurilio Oliveira

O Oxalaia (em referência à divindade africana Oxalá) é um dinossauro terópode que viveu há 95 milhões de anos, no fim do Cretáceo. É o maior terópode conhecido que andou em território brasileiro, com 12 a 14 m de comprimento e 5 a 7 toneladas. Antes de sua descoberta, esse título pertencia ao picnonemossauro, que media 9 m.
O Oxalaia deveria ser o predador dominante no nordeste do Brasil em sua época. Faz parte de um grupo de dinossauros que desperta grande interesse por suas características peculiares, os espinossaurídeos, entre os quais só perde em tamanho para o espinossauro. Espinossaurídeos tinham crânio longo e estreito, alimentavam-se de peixes e pequenos animais e muitos possuíam uma espécie de vela nas costas. Outros dois já haviam sido descobertos no Brasil: Angaturama e Irritator.
A espécie foi identificada a partir de um conjunto de fósseis, com partes do maxilar e dentes, encontrado em 1999, na Ilha do Cajual, Maranhão. Sua nomeação e divulgação só ocorreu, entretanto, em 2011. O nome específico, Oxalaia quilombensis, lembra dos assentamentos quilombolas construídos na região na época da escravidão e de sua população ser constituída por descendentes de escravos. Esta foi a oitava espécie oficialmente nomeada de terópode brasileiro.

Classificação científica:
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Reptilia
Superordem: Dinosauria
Ordem: Saurischia
Subordem: Theropoda
Família: † Spinosauridae
Subfamília: † Spinosaurinae
Gênero: † Oxalaia
Espécie: † Oxalaia quilombensis

© Mundo Pré-Histórico
Ilustração mostra ossos do crânio encontrados
© Vitor Silva

Fontes: Terra BrasilWikipedia (versão em inglês) e Prehistoric Wildlife.

3 comentários:

  1. amei esse dinossauro e é bem igual ao espinossauro

    ResponderExcluir
  2. ele é bem semelhante ao espinossauro muito intersante eu amo dinossauros

    ResponderExcluir

Todos os comentários passam por aprovação do autor.
Comentários inapropriados ou ofensivos não serão publicados.
Críticas e sugestões são bem-vindas.