13 de junho de 2017

Titanoboa, a serpente monstruosa

© Vlad Konstantinov

Titanoboa ("jiboia titânica") é a maior serpente já descoberta, superando a segunda maior (Gigantophis) por quase cinco metros. Rastejou em nosso planeta entre 60 e 58 milhões de anos atrás, na época Paleocena, pouco depois do desaparecimento dos dinossauros. Suas dimensões assustadoras chegavam a 14,6 m de comprimento, até 1 m de diâmetro e pesava mais de 1 tonelada - digna de um filme de terror. Ancestral das jiboias e anacondas modernas, devia matar suas pesas por asfixia.
Como uma serpente constritora, a titanoboa não era venenosa. Ao atacar, dentes finos como agulhas e bastante recurvados penetravam na carne da presa e impediam que ela escapasse. Segurando firmemente, então, enrolava seu corpo ao redor do animal e apertava até sufocá-lo. Com um corpo extremamente musculoso, até uma titanoboa de tamanho moderado seria capaz de exercer, com pouco esforço, pressões extremas contra os pulmões da presa. O material conhecido do crânio mostra uma estrutura similar à da anaconda, com maxilas móveis e expansíveis.
O ataque podia durar apenas alguns minutos, porém, uma vez que a vítima estivesse no estômago, a digestão poderia levar meses, dependendo do tamanho do alimento. Apesar de conseguir dar um bote rápido quando escondida em meio à vegetação baixa, a titanoboa era especialmente perigosa quando em água, onde podia mover sua enorme massa com maior facilidade. Segurando a respiração por um tempo considerável, permanecia no fundo do rio, esperando a aproximação de alguma presa. Atacava desde aves, mamíferos, peixes pulmonados e serpentes menores até crocodilos e, possivelmente, cágados gigantes (embora estes seriam presas muito mais difíceis).
Viveu nas florestas tropicais e pantanosas do norte da América do Sul, entrecruzadas por um extenso sistema de rios. O tamanho da titanoboa sugere que a temperatura global no Paleoceno era mais alta, pois os répteis de "sangue frio" dependem do calor do ambiente para sobreviverem e, por isso, tendem a se tornar maiores somente em ambientes mais quentes. Da mesma forma, ela teria se extinguido quando o clima tornou-se gradualmente mais ameno. Fósseis de 28 indivíduos foram descobertos em minas de carvão de La Guajira, em 2009, na Formação Cerrejón, norte da Colômbia.

Classificação científica:
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Reptilia
Ordem: Squamata
Subordem: Serpentes
Família: Boidae
Subfamília: Boinae
Gênero: † Titanoboa
Espécie: † Titanoboa cerrejonensis


© Mundo Pré-Histórico
Comparação entre uma vértebra fossilizada de Titanoboa e uma vértebra correspondente de uma jiboia-constritora (Boa constrictor).
© Jason Head/Universidade de Toronto, Canadá
Réplica em tamanho real de Titanoboa, em exibição do Instituto Smithsoniano, EUA.

Fontes: Prehistoric WildlifeMundo dos AnimaisSnake FactsWikipedia (versão em inglês) e Smithsonian.com.

3 comentários:

  1. Anônimo20/6/17

    Muito obrigado por postar, ficou fantástico!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por nada! Fico feliz que tenha gostado. Volte sempre!

      Excluir
  2. Muito bom, eu tava mesmo querendo saber mais sobre ela

    ResponderExcluir

Todos os comentários passam por aprovação do autor.
Comentários inapropriados ou ofensivos não serão publicados.
Críticas e sugestões são bem-vindas.