4 de agosto de 2013

Você sabia que alguns dinossauros comiam pedras?

Digerir vegetais é muito mais difícil que digerir carne. Por isso, veja só as adaptações que os dinossauros herbívoros tiveram que desenvolver para esse tipo de alimentação.

Ao todo, foram encontrados 101 seixos
com este
 SeismosaurusO maior aparece no centro
Foto: Gillette, 1994

Os grandes saurópodes passavam a maior parte do tempo comendo para poder manter o corpo imenso. Seus dentes tinham forma de pino ou colher e normalmente ficavam apenas na parte da frente da boca, só que eram fracos e não muito eficientes para mastigar. Assim, conseguiam apenas cortar e engolir as folhas tenras. Para ajudar a digestão, ingeriam pequenas pedras, que, no estômago, ao se atritarem umas contra as outras, maceravam o alimento. Quando já estavam lisas demais pelo desgaste, eram eliminadas junto com as fezes.
Essas pedras se chamam gastrólitos, do grego gastro (estômago) e lito (pedra), ou seja, "pedras do estômago", e são encontradas no sistema digestório, geralmente na moela, também de outros animais, extintos ou não. Além de alguns dinossauros, são comuns em crocodilos, jacarés, aves herbívoras, focas, leões-marinhos, alguns cetáceos, ictiossauros e plesiossauros. Gastrólitos variam muito em tamanho. Os dos avestruzes podem exceder 10 cm!

Fóssil de Psittacosaurus com gastrólitos na região do estômago
Foto: Museu Americano de História Natural

Nos animais extintos, para uma pedra ser considerada um gastrólito ela deve, costumeiramente, responder a três quesitos: ser diferente da rocha encontrada ao redor; ser arredondada e polida; e ser encontrada com os fósseis do animal que a ingeriu. Animais aquáticos como os plesiossauros podem tê-las usado como lastro, para ajudar a se equilibrarem na água ou para reduzir sua flutuabilidade, como os crocodilos fazem.
Os gastrólitos fossilizados mais conhecidos são os dos saurópodes do Jurássico. Porém, além das pedras, é provável que esses dinossauros tivessem em seu estômago uma câmara cheia de bactérias que também ajudassem a digerir, a chamada câmara de fermentação.
O estudo dos gastrólitos é muito importante para a Paleontologia porque nos fornece informações importantes sobre a alimentação, a vida e o comportamento dos dinossauros, dando pistas, inclusive, de como esses répteis migraram.

Gastrólitos do Jurássico encontrados em Utah, EUA

Fontes: Ache Tudo & Região e Wikipedia (versão em inglês).

Um comentário:

  1. Anônimo19/9/17

    que legal n sabia q tinha dinossauros q comiam pedras muito legal

    ResponderExcluir

Todos os comentários passam por aprovação do autor.
Comentários inapropriados ou ofensivos não serão publicados.
Críticas e sugestões são bem-vindas.