8 de agosto de 2015

Aegisuchus, o crocodilo escudo

© Henry P. Tsai/Universidade do Missouri

Aegisuchus (do grego "crocodilo escudo") é o ancestral mais velho dos crocodilos modernos já encontrado na África. Viveu nos rios do Marrocos, há 95 milhões de anos, no fim do Cretáceo, alimentando-se de peixes. Seu comprimento é estimado em 9 m, sendo que apenas a cabeça media um metro e meio.
Pertence à extinta família Aegyptosuchidae, cujos integrantes possuem tamanho grande e cabeças achatadas - esta particularidade é um indício de que repousavam, disfarçados, na superfície da água ou logo abaixo dela. Com maxilas ainda mais finas e fracas, talvez o Aegisuchus permanecesse deitado, com a boca aberta, esperando algum peixe desavisado passar por seu alcance para então fechá-la e alimentar-se sem esforço. A espécie é conhecida por um único crânio parcial, com características também únicas. Uma das mais incomuns é a protuberância arredondada no topo, irrigada, em vida, por vasos sanguíneos, estrutura possivelmente usada para impressionar as fêmeas e para regular a temperatura da cabeça do animal.
A espécie Aegisuchus witmeri foi nomeada em 2012 pelos paleontólogos Casey Holliday e Nicholas Gardner, que o chamaram de "crocodilo Égide" (em grego, Aegis, o escudo de Zeus) por causa da saliência de seu crânio, que lembra o bojo visto no centro dos antigos escudos gregos. Sua descoberta reitera o quão diversos e até mesmo bizarros eram os crocodilos que povoavam o hemisfério Sul.

Classificação científica:
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Reptilia
Superordem: Crocodylomorpha
Família: † Aegyptosuchidae
Gênero: † Aegisuchus
Espécie: † Aegisuchus witmeri

© Mundo Pré-Histórico
Crânio do Aegisuchus exposto no Museu Real de Ontário, Canadá: único em número e também em peculiaridade.

- Esta postagem foi uma sugestão do leitor Christian Andersen, da página Mistérios Arquivados.

Fontes: EXAME.comWikipedia (versão em inglês), Prehistoric Wildlife e National Geographic.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os comentários passam por aprovação do autor.
Comentários inapropriados ou ofensivos não serão publicados.
Críticas e sugestões são bem-vindas.