25 de março de 2009

Espinossauro, o primeiro dinossauro aquático

© Todd S. Marshall

Atualizado em julho de 2015

O espinossauro ("lagarto espinho") é um grande terópode que viveu no norte da África em meados do Cretáceo, entre 112 e 97 milhões de anos atrás. É o maior dinossauro carnívoro conhecido, superando o giganotossauro: os cálculos giram em torno de 15 m de comprimento e 7 toneladas.
Lembrando um crocodilo, seu crânio longo e estreito era adaptado para comer peixes, pouco resistente para predar grandes animais terrestres; os dentes cônicos e retos também não eram serrilhados. Possuía braços longos e fortes com grandes garras. Apesar de ser bípede, estudos sugerem que ele ocasionalmente andava sobre as quatro patas e que seu habitat abrangia tanto terra quanto água - este seria, portanto, o primeiro dinossauro semiaquático já descoberto.
No entanto, sua característica mais famosa são as extensões das vértebras dorsais, com quase dois metros, provavelmente conectadas por pele, em vida, e formando uma estrutura em forma de vela. Várias funções já foram propostas para ela, sendo a mais plausível a de exibição, seja para intimidar outro predador ou para transmitir informações sobre idade e gênero a outros espinossauros.
Os primeiros achados foram encontrados no Egito, por Richard Markgraf, em 1912, e descritos pelo paleontólogo alemão Ernst Stromer, em 1915. Embora os fósseis originais, que encontravam-se em Munique, na Alemanha, tenham sido destruídos na Segunda Guerra Mundial, as anotações e esboços meticulosos de Stromer resistiram para conservar o escasso conhecimento a respeito desse animal. Felizmente, novo material fóssil veio à tona nos últimos anos. Uma maior precisão nas estimativas de tamanho, contudo, ainda depende da descoberta de restos mais completos.

Classificação científica:
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Reptilia
Superordem: Dinosauria
Ordem: Saurischia
Subordem: Theropoda
Família: † Spinosauridae
Subfamília: † Spinosaurinae
Gênero: † Spinosaurus
Espécies: † Spinosaurus aegyptiacus e (?) † S. maroccanus

© Mundo Pré-Histórico
Reconstituição de Spinosaurus aegyptiacus em Chiba, no Japão
© Nobu Tamura
Os mais recentes estudos apontam para um dinossauro quadrúpede, com pernas muito mais curtas do que estamos acostumados a ver em representações do espinossauro. Narinas no alto da cabeça e pés achatados estariam entre suas adaptações para a vida em meio a pântanos e rios.
© Davide Bonadonna

Fontes: Live ScienceWikipedia (versão em inglês) e Veja.com.

8 comentários:

  1. Anônimo17/5/15

    Gosteiiiiii

    ResponderExcluir
  2. Velho,eu realmente to impressionado com este blog!Sempre gostei de dinossauros e eu to montando um mini-guia deles,e pode apostar,esse blog vai ta nos créditos!
    Continuem fazendo este trabalho incrível

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo, muito, muito obrigado! Vou continuar sim, e aos poucos vou melhorando o que pode ser melhorado.
      Ah, gostaria de ver seu trabalho quando estiver pronto!

      Excluir
    2. tá faltando um dinossauro indominus rex

      Excluir
    3. O Indominus rex é uma espécie fictícia, criada especialmente para o filme Jurassic World, mas não deixa de ser uma fera muito legal e assustadora!

      Excluir
  3. Sas coisas que falam sobre dinossauros, não são só suposições?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Quorthon! Não são meras suposições, tudo o que se sabe sobre os dinossauros, como acontece em qualquer área da Ciência, é baseado em evidências e passa por estudos profundos, que analisam os fósseis e sua relação com criaturas modernas. É claro que, muitas vezes, uma informação mostra-se equivocada com o passar do tempo e novas evidências podem surgir, mas isso só aprimora nosso conhecimento sobre esses animais.

      Excluir

Todos os comentários passam por aprovação do autor.
Comentários inapropriados ou ofensivos não serão publicados, mas críticas e sugestões são bem-vindas.