19 de janeiro de 2009

Becklespinax - espinhos misteriosos

(Atualizado em agosto de 2014)
© Sergey Krasovskiy

O Becklespinax (do grego, "espinhos de Beckles") viveu no Cretáceo, de 140 a 130 milhões de anos atrás, no oeste da Europa. Era um dinossauro ágil que tinha 8 m de comprimento e 1 tonelada. Possuía uma mandíbula forte e, possivelmente, uma vela nas costas.
Esse grande terópode, desde sua descoberta, continua cercado de mistérios, porque foi diagnosticado com base em apenas três vértebras fossilizadas. Tudo o que sabemos é que o Becklespinax vagou pelas florestas de onde hoje é a Inglaterra e, a julgar pelo ecossistema em que viveu, perseguia e se alimentava de pequenos e médios saurópodes.
Suas vértebras com espinhos neurais muito altos podem ser o indício de uma pequena vela sobre as costas, semelhante ao que ocorre com o acrocantossauro e o espinossauro. Por outro lado, no espanhol Concavenator, uma pequena corcunda é composta por apenas duas vértebras dorsais, o que só faz aumentar a dúvida.
No início dos anos 1850, o colecionador de fósseis Samuel Husband Beckles descobriu, em uma pedreira, algumas vértebras de dinossauro estranhamente altas. Richard Owen as estudou, em 1855, e as incorporou ao único dinossauro conhecido na época, o megalossauro. Surgiu, assim, a imagem do megalossauro com uma grande corcunda nas costas. Em 1926, os fósseis foram colocados em um gênero separado, Altispinax; em 1988, nomeado como uma nova espécie de Acrocanthosaurus; e somente em 1991 tornou-se Becklespinax.

Classificação científica:
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Reptilia
Superordem: Dinosauria
Ordem: Saurischia
Subordem: Theropoda
Clado: Avetheropoda
Clado: † Carnosauria
Gênero: † Becklespinax
Espécie: † Becklespinax altispinax




© Mundo Pré-Histórico
As três vértebras dorsais do Becklespinax, ilustradas por Richard Owen na década de 1850, quando ainda estávamos descobrindo o que eram os dinossauros
Uma possível reconstrução de seu esqueleto, com uma vela nas costas

Fontes: Wikipedia (versão em inglês), Smithsonian.comPrehistoric Wildlife e About.com.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os comentários passam por aprovação do autor.
Comentários inapropriados ou ofensivos não serão publicados.
Críticas e sugestões são bem-vindas.